VACINA BCG -  Essa vacina previne contra a TUBERCULOSE, principalmente as formas graves, como meningite tuberculosa e tuberculose miliar (espalhada pelo corpo).

Indicação – A vacina é indicada de rotina a partir do nascimento até os 5 anos de idade. Outras recomendações: Pessoas de qualquer idade que convivem com portadores de hanseníase (lepra); estrangeiros ainda não vacinados e que estejam de mudança para o Brasil.

Contraindicação – Pessoas imunodeprimidas e recém-nascidos de mães que usaram medicamentos que possam causar imunodepressão do feto durante a gestação.

 – Prematuros, até que atinjam 2 kg de peso.

Esquema de doses – Dose única.

Local de aplicação – Intradérmica.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – A vacinação não requer qualquer cuidado prévio.

Na maioria das vezes, haverá uma reação no local da aplicação com posterior formação de cicatriz. É importante não colocar produtos, medicamentos ou curativos, pois trata-se de uma resposta esperada e normal à vacina. A revacinação de crianças que não desenvolveram cicatriz deixou de ser recomendada pelo Ministério da Saúde em fevereiro de 2019.

Efeitos e eventos adversos – A BCG quase sempre deixa uma cicatriz característica, com até 1 cm de diâmetro, no local em que foi aplicada – como rotina, no braço direito. Essa reação é esperada! A resposta à vacina demora cerca de três meses (12 semanas), podendo se prolongar por até seis meses (24 semanas), e começa com uma mancha vermelha elevada no local da aplicação, evolui para pequena úlcera, que produz secreção até que vai cicatrizando.

Eventos adversos possíveis: úlceras com mais de 1 cm ou que demoram muito a cicatrizar; gânglios ou abscessos na pele e nas axilas; disseminação do bacilo da vacina pelo corpo, causando lesões em diferentes órgãos.

Segundo o Ministério da Saúde (MS), os gânglios surgem em cerca de 10% dos vacinados.

Qualquer que seja o evento, o serviço de vacinação deve notificá-lo ao órgão de vigilância em Saúde e encaminhar o paciente ao posto de saúde para acompanhamento e tratamento adequados.

Onde pode ser encontradaNas Unidades Básicas de Saúde e clínicas privadas de vacinação.

 

Fonte: https://familia.sbim.org.br/

VACINA DENGUE - Esta vacina previne contra a Infecção causada pelos quatro sorotipos de DENGUE: DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4. A eficácia na prevenção da doença é de 65,5%; na prevenção de dengue grave e hemorrágica é de 93% e de internação é de mais de 80%.

IndicaçãoA vacina está licenciada para crianças a partir de 9 anos de idade, adolescentes e adultos até 45 anos e é recomendada para indivíduos previamente infectados por um dos vírus da dengue (soropositivos com ou sem história da doença).

Contraindicação - Pessoas imunodeprimidas; Alergia grave (anafilaxia) a algum dos componentes da vacina; Gestantes; Mulheres amamentando; Pessoas sem contato prévio com o vírus da dengue (soronegativos). A aplicação, no entanto, pode ser avaliada por médico em áreas consideradas endêmicas, ou seja, onde pelo menos 70% das pessoas sejam soropositivas para o vírus.

Esquema de doses – Três doses com intervalo de seis meses.

Local de aplicação – Subcutânea.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Sugere-se avaliar com seu médico a indicação da vacina, já que em pessoas vacinadas não infectadas previamente foi observado um risco aumentado de hospitalização e dengue com sinal de alarme.

Adiar a vacinação em caso de doença febril aguda moderada a grave.

A vacinação de pessoas portadoras do vírus HIV deve ser avaliada por médico, que pode prescrevê-la se não houver comprometimento do sistema imunológico.

Em pacientes que receberam tratamento com doses elevadas de corticosteroides sistêmicos por duas semanas ou mais, é preciso adiar a vacinação até a função imunológica estar restaurada (no mínimo quatro semanas após a interrupção do tratamento).

As mulheres em idade fértil devem evitar engravidar por quatro semanas após vacinação.

Preferencialmente, não aplicar no mesmo momento em que outras vacinas são administradas.

Efeitos e eventos adversos – As reações adversas mais frequentemente relatadas foram: dor de cabeça, dor no local da injeção, mal-estar e mialgia.

As reações foram geralmente de gravidade leve a moderada e de curta duração (até três dias). O início foi tipicamente observado em até três dias após a vacinação, com exceção da febre, que surge dentro de 14 dias após a aplicação da vacina.

As reações adversas sistêmicas tendem a ser menos frequentes após a segunda e a terceira doses.

Reações adversas possíveis – Em mais de  10% dos vacinados: cefaleia, mialgia, dor no local da injeção, mal-estar, fraqueza e febre; Entre 1% e 10% dos vacinados: vermelhidão na pele, hematoma, inchaço e coceira no local da injeção; Em menos de 1% dos vacinados: surgimento de gânglios (linfoadenopatia), tontura, enxaqueca, náuseas, erupção cutânea, urticária, dor articular, endurecimento no local da injeção, sintomas gripais.

OBS: A vacina não causa a doença.

Onde pode ser encontrada – Em clínicas privadas de vacinação.

 

 

Fonte: https://familia.sbim.org.br/

VACINA DUPLA BACTERIANA DO TIPO ADULTO – dT  - Esta vacina previne contra a DIFTERIA e o TÉTANO .

Indicações – A partir dos 7 anos de idade, com reforços a cada dez anos recomendados para difteria e tétano. Quando desejada, a prevenção da coqueluche deve ser substituída pela tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa).

Contraindicações – Apenas pessoas com alergia grave (anafilaxia) a algum dos componentes da vacina ou a dose anterior.

Esquema de doses – Uma dose a cada dez anos a partir dos 14 anos de idade; Sempre que possível, a dT deve ser substituída pela tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa), para a prevenção também da coqueluche.

Para crianças com mais de 7 anos, adolescentes e adultos que não tomaram antes, ou sem registro de três doses de vacina contendo o toxoide tetânico, recomenda-se três doses da dT, embora seja mais prudente que uma destas doses seja substituída pela dTpa. 

Via de aplicação – Intramuscular.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Não são necessários cuidados especiais antes da vacinação; Em caso de doença aguda com febre alta, a vacinação deve ser adiada até que ocorra a melhora; Em pessoas com doenças que aumentam o risco de sangramento, a aplicação intramuscular pode ser substituída pela subcutânea; Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação. Em casos mais intensos pode ser usada medicação para dor sob prescrição médica; Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.

Os sintomas de eventos adversos persistentes, que se prolongam por mais de 24-72 horas, devem ser investigados para verificação de outras causas.

Efeitos e eventos adversos – Na maioria das vezes ocorrem apenas manifestações leves e transitórias no local da aplicação, com melhora dos sintomas entre 24 a 48 horas. Dor e aumento de sensibilidade acometem de 50% a 85% dos vacinados; vermelhidão e inchaço, de 25% a 30%. Grande inchaço ocorre com apenas 2%.

- Raramente, pode haver reação local intensa, comprometendo todo o membro – sintoma compatível com reação do tipo Arthus, também chamada de hipersensibilidade tipo III.

- De 0,5% a 0,7% dos vacinados têm febre. Mal-estar, sonolência, náusea, vômitos e manifestações alérgicas ocorrem com frequência ainda menor.

- A inflamação dos nervos do braço (neuropatia ou neurite do plexo braquial) é rara – índice de 0,5 a 1 caso em cada 100 mil vacinados – e pode manifestar-se de dois a 28 dias após a administração de vacina contendo o toxoide tetânico. Causa dor constante, profunda e intensa na parte superior do braço e cotovelo, seguido de fraqueza e atrofia muscular após alguns dias ou semanas, podendo haver perda da sensibilidade local. Pode acontecer no mesmo lado ou do lado oposto ao da injeção e, algumas vezes, pode ser bilateral. A neuropatia contraindica aplicações de vacinas contendo toxoide tetânico.

Onde pode ser encontrada – Nas Unidades Básicas de Saúde e Clinicas Privadas.

 

Fonte: https://familia.sbim.org.br/

VACINA TRIPlÍCE BACTERIANA ACELULAR DO TIPO ADULTO – dTpa - Esta vacina previne contra difteria, tétano e coqueluche. Trata-se de vacina inativada, portanto, não tem como causar a doença.

Indicações – Para reforço das vacinas DTPa ou DTPw em crianças a partir de 3 anos de idade, adolescentes e adultos; Gestantes; Todas as pessoas que convivem com crianças menores de 2 anos, sobretudo bebês com menos de 1 ano, incluindo familiares, babás, cuidadores e profissionais da Saúde.

Contraindicação – Pessoas que apresentaram anafilaxia ou sintomas neurológicos causados por algum componente da vacina ou após a administração de dose anterior.

Esquema de doses – Pode ser usada para a dose de reforço prevista para os 4-5 anos de idade.

 - Recomendada para o reforço na adolescência.

- Recomendada para os reforços em adultos e idosos.

- Para crianças com mais de 7 anos, adolescentes e adultos que não tomaram ou sem registro de três doses de vacina contendo o toxoide tetânico anteriormente, recomenda-se uma dose de dTpa seguida de duas ou três doses da dT.

- As gestantes devem receber uma dose de dTpa, a cada gestação, ​a partir da 20ª semana de gestação. ​Se não vacinadas durante a gravidez, devem receber uma dose após o parto​, o mais precocemente possível (de preferência ainda na maternidade).

Via de aplicação – Intramuscular.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Não são necessários cuidados especiais antes da vacinação.

- Em caso de doença aguda com febre alta, a vacinação deve ser adiada até que ocorra a melhora.

- Em pessoas com doenças que aumentam o risco de sangramento, a aplicação intramuscular pode ser substituída pela subcutânea.

- Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação. Em casos mais intensos pode ser usada medicação para dor, sob prescrição médica.

- Se ocorrer uma reação local muito intensa (Arthus), é importante observar o intervalo de dez anos após a aplicação da última dose da vacina para se administrar a dose de reforço.

- Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.

- Sintomas de eventos adversos persistentes, que se prolongam por mais de 72 horas (dependendo do sintoma), devem ser investigados para verificação de outras causas.

Efeitos e eventos adversos – Em crianças com até 9 anos podem ocorrer: irritabilidade, sonolência, reações no local da aplicação (dor, vermelhidão e inchaço) e fadiga em mais de 10% dos vacinados.

- Mais de 10% das crianças a partir de 10 anos, adolescentes e adultos experimentam dor de cabeça, reações no local da aplicação (dor, vermelhidão e inchaço), cansaço e mal-estar. Em até 10% acontecem tontura, náusea, distúrbios gastrintestinais, febre, nódulo ou abscesso estéril (sem infecção) no local da aplicação.

Onde pode ser encontrada – Em clínicas privadas de vacinação. E nas Unidades Básicas de Saúde para gestantes ​a partir da 20ª semana ​de gestação e profissionais da Saúde que atuam em maternidades e serviços de atendimento a recém-nascidos.

Fonte: https://familia.sbim.org.br/

VACINA TRIPLICE BACTERIANA ACELULAR DO TIPO ADULTO COM POLIOMIELITE – dTpa + VIP - Esta vacina previne contra Difteria, Tétano, Coqueluche e Poliomielite. Trata-se de vacina inativada, portanto, não tem como causar a doença.

Indicações – Para crianças a partir de 3 ou 4 anos de idade, adolescentes e adultos, para os reforços de seus esquemas de vacinação.

- Pode substituir as formulações infantis da vacina tríplice bacteriana (DTPa e suas combinações) no reforço de 4 a 5 anos de idade.

- Para adolescentes e adultos, pode substituir a vacina dTpa e é a alternativa para viajantes com destinos às áreas de risco para poliomielite.

- Para gestantes, pode substituir a dTpa na indisponibilidade desta vacina ou quando se trata de gestante viajante para área de risco para a poliomielite.

Contraindicação – Pessoas que apresentaram anafilaxia após uso de componentes da vacina ou dose anterior.

Esquema de doses – Pode substituir qualquer dose de dTpa. Em caso de viagens a locais de risco para a poliomielite, pode ser aplicada mesmo em pessoas que estejam em dia com a dTpa.

Via de aplicação – Intramuscular.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Não são necessários cuidados especiais antes da vacinação.

- Em caso de doença aguda com febre alta, a vacinação deve ser adiada até que ocorra a melhora.

- Em pessoas com doenças que aumentam o risco de sangramento, a aplicação intramuscular pode ser substituída pela subcutânea.

- Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação. Em casos mais intensos pode ser usada medicação para dor, sob prescrição médica.

- Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.

- Sintomas de eventos adversos persistentes, que se prolongam por mais de 72 horas (dependendo do sintoma), devem ser investigados para verificação de outras causas.

Efeitos e eventos adversos – Em crianças, ocorrem em mais de 10% dos vacinados: sonolência e reações no local da aplicação (dor, vermelhidão e inchaço). Entre 1% e 10% dos vacinados podem apresentar perda de apetite, irritabilidade, dor de cabeça e febre acima de 37,5ºC.

Onde pode ser encontrada – Em clínicas privadas de vacinação, para crianças a partir de 3 anos de idade, adolescentes e adultos.

Fonte: https://familia.sbim.org.br/

VACINA PENTAVALENTE – Vacina quíntupla acelular — DTPa-VIP/Hib - Esta vacina previne contra cinco tipos de doenças. Difteria, Tétano, Coqueluche (tríplice bacteriana acelular (DTPa)), poliomielite inativada (VIP) e Meningite por Haemophilus influenzae tipo b (Hib). Trata-se de vacinas inativadas, portanto, não têm como causar doença e suas reações são mínimas.

Indicação – A vacina é recomendadas para crianças a partir de 2 meses de idade e podem ser aplicadas até os 7 anos, sempre que seja indicada cada uma das vacinas incluídas nessas combinações.

Contraindicações – É contraindicada para maiores de 7 anos.

- Crianças que apresentaram encefalopatia nos sete dias seguintes à aplicação anterior de vacina contendo componente pertussis.

- Anafilaxia a qualquer componente da vacina.

Esquema de doses Para a vacinação rotineira de crianças (aos 2, 4, 6 meses e entre 12 e 18 meses), preferir o uso da vacina quíntupla (penta) ou sêxtupla (hexa). Para reforço entre 4 e 5 anos de idade, recomenda-se o uso de DTPa ou dTpa-VIP.

Via de aplicação – Intramuscular.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Não são necessários cuidados especiais antes da vacinação.

- Em caso de doença aguda com febre alta a vacinação deve ser adiada até que ocorra a melhora.

- Em pessoas com doenças que aumentam o risco de sangramento, a aplicação intramuscular pode ser substituída pela subcutânea.

- Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação. Em casos mais intensos pode ser usada medicação para dor, sob prescrição médica.

- Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.

- Sintomas de eventos adversos persistentes, que se prolongam por mais de 72 horas (dependendo do sintoma), devem ser investigados para verificação de outras causas.

Efeitos e eventos adversos – Os eventos adversos e a frequência com que ocorrem são semelhantes nas duas vacinas (Penta e Hexa) e devem-se principalmente ao componente pertussis. Estudo comparativo mostrou que as reações a estas vacinas foram significativamente menores quando comparadas com a vacina combinada contra pertussis de células inteiras (DTPw).

Onde podem ser encontradas – Em clínicas privadas de vacinação.

Fonte: https://familia.sbim.org.br/

VACINA HEXAVALENTE – Vacina sêxtupla acelular — DTPa-VIP-HB/HIb - Esta vacina previne contra seis tipos de doenças. Difteria, Tétano, Coqueluche (tríplice bacteriana acelular (DTPa)), poliomielite inativada (VIP), Hepatite B (HB) e  Meningite por Haemophilus influenzae tipo b (Hib). Trata-se de vacinas inativadas, portanto, não têm como causar doença e suas reações são mínimas.

Indicação – A vacina é recomendadas para crianças a partir de 2 meses de idade e podem ser aplicadas até os 7 anos, sempre que seja indicada cada uma das vacinas incluídas nessas combinações.

Contraindicações – É contraindicada para maiores de 7 anos.

- Crianças que apresentaram encefalopatia nos sete dias seguintes à aplicação anterior de vacina contendo componente pertussis.

- Anafilaxia a qualquer componente da vacina.

Esquema de doses – Para a vacinação rotineira de crianças (aos 2, 4, 6 meses e entre 12 e 18 meses), preferir o uso da vacina quíntupla (penta) ou sêxtupla (hexa). Para reforço entre 4 e 5 anos de idade, recomenda-se o uso de DTPa ou dTpa-VIP.

Via de aplicação – Intramuscular.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Não são necessários cuidados especiais antes da vacinação.

- Em caso de doença aguda com febre alta a vacinação deve ser adiada até que ocorra a melhora.

- Em pessoas com doenças que aumentam o risco de sangramento, a aplicação intramuscular pode ser substituída pela subcutânea.

- Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação. Em casos mais intensos pode ser usada medicação para dor, sob prescrição médica.

- Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.

- Sintomas de eventos adversos persistentes, que se prolongam por mais de 72 horas (dependendo do sintoma), devem ser investigados para verificação de outras causas.

Efeitos e eventos adversos – Os eventos adversos e a frequência com que ocorrem são semelhantes nas duas vacinas (Penta e Hexa) e devem-se principalmente ao componente pertussis. Estudo comparativo mostrou que as reações a estas vacinas foram significativamente menores quando comparadas com a vacina combinada contra pertussis de células inteiras (DTPw).

Onde podem ser encontradas – Em clínicas privadas de vacinação.

 

Fonte: https://familia.sbim.org.br/ 

VACINA FEBRE AMARELA – FA - Esta vacina previne contra a Febre amarela, uma doença viral potencialmente grave.

Indicação – Indicada para crianças a partir de 9 meses de idade, adolescentes e adultos que vivem em regiões brasileiras classificadas como áreas de recomendação de vacinação, ou em viagem nacional/internacional de risco para a doença, ou com obrigatoriedade de comprovação da vacinação.

Contraindicações – Contra indicada para crianças abaixo de 6 meses de idade.

- Indivíduos infectados pelo HIV, sintomáticos e com imunossupressão grave comprovada por exame de laboratório.

- Pessoas com imunodepressão grave por doença ou uso de medicação.

- Pacientes que tenham apresentado doença neurológica desmielinizante no período de seis semanas após a aplicação de dose anterior da vacina.

- Contraindicada em mulheres amamentando bebês com menos de 6 meses. Se a vacinação não puder ser evitada, suspender o aleitamento materno por 10 dias. Procure o pediatra para mais orientações.

- Pacientes submetidos a transplante de órgãos.

- Pacientes com câncer.

- Pessoas com história de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina (ovo de galinha e seus derivados, gelatina bovina ou outras).

- Pacientes com história pregressa de doenças do timo (miastenia gravis, timoma, casos de ausência de timo ou remoção cirúrgica).

- Em princípio há contraindicação para gestantes, mas a administração deve ser analisada de acordo com o grau de risco, por exemplo, na vigência de surtos.

- A vacinação de indivíduos a partir de 60 anos deve ser evitada, a menos que haja alto risco de infecção.

Esquema de doses – Nas áreas brasileiras com recomendação de vacina de rotina: dose única a partir dos 9 meses e até os 59 anos.

Via de aplicação – Subcutânea.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Não são necessários cuidados especiais antes da vacinação.

- Em caso de febre recomenda-se adiar a vacinação até a melhora.

- A administração da vacina em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico ou outras doenças autoimunes deve ser avaliada com cuidado, pois pode haver imunossupressão nesses pacientes.

- Pacientes transplantados de células de medula óssea também devem ser avaliados, considerando o estado imunológico e o risco epidemiológico, respeitando-se o período mínimo de 24 meses após o transplante.

- Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.

- Todo e qualquer evento adverso grave e/ou inesperado deve ser notificado às autoridades de Saúde.

Efeitos e eventos adversos – Apesar de muito raros, podem acontecer eventos graves: reações alérgicas;

- Entre os eventos locais, a dor no local de aplicação ocorre em 4% dos adultos vacinados e um pouco menos em crianças pequenas, e essa dor dura um ou dois dias, na forma leve ou moderada;

- Manifestações gerais, como febre, dor de cabeça e muscular são os eventos mais frequentes e acontecem em cerca de 4% dos que são vacinados na primeira vez e menos de 2% nas segundas doses.

Onde pode ser encontrada – Nas clínicas privadas de vacinação credenciadas junto à Anvisa e nas Unidades Básicas de Saúde.

 

 

Fonte: https://familia.sbim.org.br/

VACINA FEBRE TIFÓIDE Esta vacina previne contra a Febre tifoide doença que é causada pela bactéria Salmonella typhi, transmitida geralmente pela ingestão de alimentos ou água contaminados.

Indicação – É indicada para crianças a partir de 2 anos de idade, adolescentes e adultos que viajam para áreas de alta incidência da doença, em situações específicas de longa permanência e após análise médica criteriosa.

- Profissionais que lidam com águas contaminadas e dejetos.

Contraindicação - Hipersensibilidade conhecida a qualquer um dos componentes da vacina.

Esquema de doses - Uma dose.

- A vacina confere proteção por três anos, de modo que a revacinação pode ser recomendada após este período, se o risco de adoecimento persistir ou retornar

Via de aplicação - Intramuscular ou subcutânea.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Em caso de febre recomenda-se adiar a vacinação até a melhora.

- Não são necessários cuidados especiais antes da vacinação.

- Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação. Em casos mais intensos, pode ser usada medicação para dor, sob recomendação médica.

- Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.

- Sintomas de eventos adversos persistentes, que se prolongam por mais de 72 horas (dependendo do sintoma), devem ser investigados para verificação de outras causas.

Efeitos e eventos adversos – A vacina febre tifoide causa poucas reações, sendo as mais frequentes relacionadas com o local da aplicação: dor; vermelhidão, inchaço. Outras possíveis reações são: febre, dor de cabeça, mal-estar, náuseas, e coceira.

Onde pode ser encontrada – Em Clínicas privadas de vacinação.

 

Fonte: https://familia.sbim.org.br/

VACINA GRIPE INFLUENZA – TRIVALENTE OU TETRAVALENTE - Esta vacina previne as infecções causadas pelo vírus Influenza contidos nas vacinas. Trata-se de vacina inativada, portanto, não tem como causar a doença.

- Existe vacina trivalente, com duas cepas de vírus A e uma cepa de vírus B, e vacina quadrivalente, com duas cepas de vírus A e duas cepas de vírus B.

ATENÇÃO à Quando a apresentação é MONODOSE, ou seja, em seringas prontas com doses individuais, a vacina não contém conservantes. Já a apresentação MULTIDOSE, como acontece com outras vacinas, contém timerosal (derivado do mercúrio) como conservante.

Indicação – Para todas as pessoas a partir de 6 meses de vida, principalmente aquelas de maior risco para infecções respiratórias, que podem ter complicações e a forma grave da doença.

Contraindicação – Pessoas com alergia grave (anafilaxia), a algum componente da vacina ou a dose anterior.

Esquemas de doses – Para crianças de 6 meses a 9 anos de idade: duas doses na primeira vez em que forem vacinadas (primovacinação), com intervalo de um mês e revacinação anual.

Para crianças maiores de 9 anos, adolescentes, adultos e idosos: dose única anual.

Via de aplicação – Intramuscular.

Cuidados antes, durante e após a vacinação – Em caso de febre, deve-se adiar a vacinação até que ocorra a melhora.

- Pessoas com história de alergia grave ao ovo de galinha, com sinais de anafilaxia, devem receber vacina em ambiente com condições de atendimento de reações anafiláticas e permanecer em observação por pelo menos 30 minutos.

- Excetuando os casos aqui citados, não são necessários cuidados especiais antes da vacinação.

- Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação. Em casos mais intensos pode-se usar medicação para dor, sob recomendação médica.

Efeitos e eventos adversos - Manifestações locais como dor, vermelhidão e endurecimento, essas reações costumam ser leves e desaparecem em até 48 horas.

 

Onde pode ser encontrada –Na rede privada, as vacinas trivalente e quadrivalente estão disponíveis para pessoas a partir de 6 meses, sem restrições de idade.

- Na rede pública, a vacina trivalente está disponível para os grupos prioritários.

 

Fonte: https://familia.sbim.org.br/